Ultimas

medicina

biologia

Acompanhe:

10 alimentos que dão mais disposição para o corpo


A rotina pode ser algo muito cansativa, por isso é preciso mudar os hábitos alimentares! Com a correria do dia a dia, o corpo pede por mais energia para aguentar todas as atividades. Mas existem alimentos que, ao serem incorporados a dieta, dão mais disposição. A nutricionista Andrea Forlenza deu dicas do que consumir para que o organismo fique mais forte e saudável.

Alimentos que geram muita energia ao organismo

• Açaí
O açaí é uma fruta típica brasileira rica em carboidratos, que fornecem a energia necessária para o bom funcionamento do nosso organismo. Além disso, é fonte de gorduras insaturadas, que auxiliam no controle da pressão arterial e do colesterol, e é rica em vitaminas C, B1, e B2 e antioxidantes.
 
• Água de coco
É considerada uma bebida energética natural, fonte de vitaminas e minerais importantes para o bom funcionamento do organismo. Além de melhorar a disposição, é uma ótima fonte de hidratação para o verão.

• Banana
A fruta é fonte de triptofano, um aminoácido precursor da serotonina. A serotonina é um neurotransmissor que tem diversas funções, como regular o sono, o humor, e auxilia a prevenir distúrbios emocionais. Além disso, é fonte também de potássio. Baixos níveis de potássio estão relacionados à sintomas como fraqueza muscular, cãibras, fadiga e apatia mental.

• Guaraná
O guaraná é fonte de cafeína um estimulante do sistema nervoso. Usado com moderação ajuda a melhorar o ânimo e a disposição. Pode ser adicionado em sucos e vitaminas.

• Maca Peruana
A maca peruana, é uma planta medicinal também conhecida como maca-andina, planta-maca, maca-pó. Ela auxilia a diminuir o cansaço e a fadiga. Além de fornecer energia, é fonte de vitaminas do complexo B, selênio, vitaminas C e E que possuem ação antioxidante.

• Chá verde
O chá verde é fonte de cafeína, substância considerada termogênica (acelera o metabolismo, aumentando o gasto energético e a queima de gordura corporal) e que aumenta a disposição. Também auxilia na melhora do humor e bem estar, pois possui um aminoácido que quando liberado em nosso corpo aumenta a produção de dopamina e serotonina.

• Oleaginosas
As oleaginosas (nozes, castanhas e amêndoas) são boas fontes de proteína vegetal e gorduras insaturadas,
nutrientes que atuam na redução da pressão arterial, do colesterol e dos triglicérides. Também possuem magnésio, cobre e selênio, que ajudam diminuir o estresse e melhoram a memória e a produção de energia.

• Mel
O mel é constituído por dois tipos de carboidratos (glicose e frutose), o que o torna um alimento energético, podendo aumentar a disposição e combater o cansaço. É fonte de vitamina C que apresenta potente ação antioxidante, e vitaminas do complexo B que participam do metabolismo de produção de energia, e desintoxicação do organismo. Possui minerais como fósforo, cálcio, magnésio, enxofre e potássio também.

• Aveia
A aveia integral é fonte de carboidratos de baixo índice glicêmico que conferem energia sem levar a picos de liberação de insulina. Ajuda a controlar as taxas de açúcar no sangue e dá saciedade. Também é fonte de vitaminas do complexo B, que melhoram os níveis de produção de energia e a disposição.

• Chocolate Amargo
O chocolate amargo, moderadamente, ajuda emagrecer e é fonte de antioxidantes que, além de retardarem o envelhecimento precoce, auxiliam na saúde do coração. Possui cafeína, o que ajuda a manter o corpo alerta e mais disposto.

Aproveitando a oportunidade, O Controle das Mente  encontrou um vídeo que vem mostrar os principais alimentos para a saúde do cérebro:

Fonte: conquistesuavida.com.br

Cachoeiras de Sangue da Antártida Causam Espanto aos Cientistas

Um estudo finalmente encontrou a fonte das assustadoras cachoeiras de sangue da Antártida.

Já faz 106 anos que o geólogo australiano Griffith Taylor descobriu as vívidas quedas vermelhas que fluem da geleira que recebeu seu nome, no lago gelado Bonney.

Originalmente pensava-se que o fenômeno era causado por algas vermelhas. Porém, em 2003 pesquisadores descobriram um lago de água salgada de 5 milhões de anos escondido nas profundezas da geleira, que drenava sua água repleta de ferro oxidado, que dá a cor vermelha, para a superfície.

Agora, um estudo da Universidade do Alasca Fairbanks confirma que a geleira não tem só um lago escondido, mas sim um sistema inteiro que fluí a mais de 1 milhão de anos.

A equipe usou a ecolocalização para rastrear de onde a água fluia. A razão pela qual nunca congelou, dizem eles, é um sistema hidráulico perpétuo.

As cachoeiras de sangue são como um viagem no tempo ao passado, revelando sistemas microbianos antigos. O fenômeno fascina os cientistas e lhes dá uma maneira de estudar as possibilidades de vida em outros planetas.

No vídeo abaixo você conhecerá com mais detalhes as cachoeiras de sangue da Antártida:


Fontes: businessinsider.com.au / conhecimentocientifico.r7.com

10 Estratégias Para Deixar as Crianças Mais Disciplinadas

Pequenas, mas com vontades próprias, as crianças necessitam de disciplina para conhecerem os limites e valores importantes como o respeito. No entanto, a disciplina não deve ser reservada exclusivamente para os momentos em que as crianças se portam mal, deve ser algo contínuo para que a criança saiba ela própria distinguir entre o que é certo e o que é errado. Mune-se destas estratégias para ter sempre crianças bem comportadas.

Regras e limites. A melhor forma de facilitar a disciplina de uma criança é estabelecer regras e limites claros, ou seja, que sejam claramente perceptíveis pela criança. As regras e os limites são fundamentais para a criança aprender o autocontrolo, para saber o que está certo e errado, facilitando a vivência dentro e fora da esfera familiar. Conhecidas as regras, a vida torna-se mais fácil para pais e crianças. 
 
Consequências claras. Da mesma forma que as regras para crianças têm de ser simples e claras, também as consequências devem ser. Se existe um castigo para o mau comportamento – ir para a cama mais cedo, não poder ver televisão ou brincar com um certo brinquedo – é importante que essa consequência se materialize. Só assim é que as crianças vão perceber que não podem contornar as regras, nem desafiar os limites sem terem de lidar com as consequências. Por mais que lhe possa custar, há que cumprir as consequências – nunca ninguém disse que a disciplina ia ser fácil, mas mais importante do que isso é que seja eficaz. A longo prazo valerá a pena. 
 
 
O respeito é muito bonito. Ensinar a criança a respeitar não só os adultos, mas todas as pessoas que a rodeiam passa por coisas tão simples como aprender a dizer “por favor” ou “obrigado”. Não gritar ou bater são outras ações que devem ser controladas, para limitar a agressividade nas crianças. Fale com a criança da mesma forma que gostaria que ela falasse consigo e nos dias em que a criançada se exaltar (acontece a todos!) peça-lhe para se sentar quieta durante 5 minutos para se acalmar antes de voltar a falar consigo. É importante que a criança possa falar e expressar tudo o que lhe apetece, mas sempre com respeito pelo outro.
 
Sim em vez de não. Quando se pensa em disciplina para crianças, a palavra que vem imediatamente à cabeça é “não”, porém, esta deve ser substituída pelo “sim” sempre que possível, ou seja, troque o “não deves” por “deves”. Ao focar o comportamento que quer ver em vez daquele que não quer ver, é mais fácil a criança aprender – por exemplo, em vez de dizer “não batas com os carrinhos na mesa” diga “ao fazeres isso podes estragar a mesa, brinca com os carrinhos no chão, aí andam mais depressa!”. 
 
Descobrir as causas. Se o mau comportamento é uma constante e todos os atos de disciplina estão a ser infrutíferos, é importante avaliar a situação e perceber qual o motivo por de trás da desobediência: será que aconteceu alguma coisa na escola? Será que a criança não se sente bem?Estará a dormir o suficiente? O mau comportamento nem sempre é capricho infantil, por isso, converse com a criança depois de ela se acalmar e tente avaliar melhor a situação e a forma como a pode resolver. 
 
 
Seja firme. O segredo por de trás do sucesso da disciplina infantil é a capacidade de manter-se firme, ou seja, se a criança já sabe que não pode levar brinquedos para a escola,não ceda só porque ela resolveu fazer uma birra gigante; se a hora de dormir é às 20h30, não ceda porque a criança quer brincar mais um bocadinho. No momento em que ceder, a criança vai continuar a testar os limites vezes sem conta.  
 
Gosto de ti. Ser firme não significa que não pode dizer à criança quanto gosta dela ou dar-lhe um abraço depois de lhe chamar a atenção pelo mau comportamento ou de explicar porque não gostou de determinada ação ou palavras. É uma forma interessante de mostrar à criança que a disciplina não significa que se goste menos um do outro e que apesar dos conflitos tudo vai acabar bem.
 
O poder é seu. Não há volta a dar, os pais são quem mandam, por isso, utilize isso para seu benefício. As crianças observam e copiam tudo aquilo que seja do mundo adulto, por isso, se estiver sempre a gritar com a criançada, eles vão pensar que não há nada de errado com isso e serão certamente um espelho do mesmo tipo de comportamento. Ao respirar fundo e pensar duas vezes antes de falar, pode fazê-lo de forma calma, lembrando à criança que é assim que se fala e se deve comportar. Cabe a si estabelecer o tom das situações, que as crianças acabam por seguir esse caminho. 
 
 
Cuide-se. As crianças são os seres mais maravilhosos do mundo, mas a rotina diária e as diferentes fases do seu desenvolvimento podem revelar-se verdadeiros desafios para qualquer mãe ou pai. Daí a importância de cuidar de si – encontre tempo de qualidade para estar sozinho, mas também com o seu companheiro(a), faça atividades que lhe permitem aliviar o stress – desta forma estará mais preparado para enfrentar, de forma calma e exemplar, os desafios da disciplina infantil.
 
Avanços e recuos. Disciplinar uma criança não é algo que acontece de um dia para o outro e, embora seja mais fácil perceberam as regras à medida que vão crescendo, isso não significa que de vez em quando não haja uma grande birra, portas a bater, irmãos a brigar ou outros comportamentos menos positivos. Esteja preparado para tudo.
 
Confira neste vídeo uma entrevista sobre como disciplinar e impor limites às crianças:
 
Fonte: pequenada.com

Pesquisadores identificam os Mecanismos Cerebrais Para Deixar de Fumar

Um estudo recente sobre os hábitos de parar de fumar, publicado na revista JAMA Psychiatry, ofereceu novidades importantes. Foi revelado que a possível força ou fraqueza de nossos mecanismos cerebrais de inibição do cérebro serve para condicionar a facilidade ou dificuldade de parar de fumar.
Para muitos fumantes, deixar de fumar é algo muito complexo. Quais são as razões?

A nicotina é o primeiro elemento viciante, mas há muito mais.

O comportamento automatizado para parar de fumar

Fumar é um comportamento automatizado e só pode ser controlado (e inibido) por meio de circuitos cerebrais determinados. Este tipo de circuitos estaria interrompido e não funciona corretamente em muitos fumantes.

A pessoa que fuma um pacote diário de cigarros chegou a transformar este hábito em algo repetitivo, mecanizado, que precisa fazer por uma questão mental.

E isso vai muito mais além do vício da nicotina ou outras substâncias inerentes ao cigarro. Um dos dados que o estudo lança é que quanto menor nível de oxigenação do sangue do circuito de controle da inibição, maior é a probabilidade de que a pessoa resista à tentação de fumar.
  • Assim, haveria importantes condições neurobiológicas que explicariam porque alguns fumantes têm mais dificuldades para deixar o cigarro.
Com estes dados em mãos, os cientistas analisam o possível potencial dos diferentes tratamentos, sejam farmacológicos ou de mudanças de comportamento.
Estas terapias teriam como finalidade reforçar a comunicação no circuito de controle da inibição dos fumantes, e ajudar estas pessoas a deixarem de fumar.

Detalhes dos testes

Na origem destas pesquisas foram examinadas as redes de controle inibitório nos cérebros de vários fumantes.Estes eram dependentes da nicotina e se comprometeram a participar de um programa de abandono do hábito de fumar com várias semanas de duração.

No começo do programa, os pesquisadores usaram uma ressonância magnética funcional para monitorar a atividade cerebral. Ao mesmo tempo em que os pacientes que queriam deixar de fumar realizavam tarefas de controle inibitório.
  • Os participantes do estudo tinham que apertar uma tecla do computador cada vez que aparecia um círculo colorido na tela.
Em algumas ocasiões aparecia um círculo de outra cor.
  • As respostas relacionadas com o nível de oxigenação do sangue indicam que o cérebro usava mais recursos para inibir a resposta automática de pressionar a tecla quando aparecia um círculo “estranho”.

Conclusões dos estudos

Depois de dois meses, dentre os participantes que queriam parar de fumar, 50% tinha conseguido. Os pacientes que não conseguiram parar com o hábito tiveram pontuações tão boas na tarefa de controle inibitório quanto aqueles que abandonaram o cigarro com sucesso, porém, a impressão que dava é de que seu comportamento automatizado era muito forte e muito assimilado.

Estes testes reafirmam que as diferenças biológicas podem ajudar a explicar porque alguns fumantes que estão tentando parar de fumar têm mais sucesso do que outros.

Bons hábitos para parar de fumar

O primeiro passo para parar de fumar é identificar os momentos em que existe maior propensão a fumar. Pela manhã? Depois de comer ou fazer sexo? Dirigindo? Também funciona pedir ajuda à família, amigos e companheiros de trabalho.
  • É preciso informar a data em que o tratamento começa, para que então o fumante se desfaça de todos os seus cigarros e qualquer rastro deles.
  • Ainda, deve-se limpar tudo o que cheire a cigarro, como roupa e móveis.
  • Naqueles lugares onde havia costume de ter cigarros, pode-se colocar guloseimas, balas ou biscoitos.
  • É efetivo, principalmente para pessoas muito dinâmicas ou nervosas, encontrar atividades que ocupem suas mãos e tenham a mente entretida.

Um novo estilo de vida

É preciso mudar os hábitos diários e o horário. Isso supõe uma ajuda para deixar de fumar.
  • Por exemplo, comer em horários diferentes, fazer várias refeições pequenas ao invés de grandes, mudar de quarto e mobília, etc.
  • O exercício é sempre positivo, e também para deixar de fumar. Além de reduzir a ansiedade e o estresse, cria uma sensação de bem estar físico e mental que reduz a necessidade de fumar.
No vídeo a seguir você assistirá a um documentário sobre os malefícios do fumo:

Fonte: melhorcomsaude.com

Hiperecplexia - Distúrbio Que Aciona Movimentos Exagerados

A hiperecplexia é uma doença genética, caracterizada por um distúrbio de movimento, que embora seja grave, é pouco estudada, provavelmente em função da reduzida incidência em relação a outras moléstias similares.

Esta condição é transmitida por um traço dominante autossômico, resultante de uma mutação na subunidade alfa 1 do receptor glicina. Este último é codificado no braço longo do cromossomo 5 no locus cromossômico 5q33-q35.

O termo hiperecplexia é oriundo do grego, que significa “pulo” ou “espasmo exagerado”. Deste modo, consiste em reações involuntárias de sobressaltos resultantes de algum tipo de estímulo (visual, tátil ou auditivos).


O reflexo do sobressalto causado por esta condição consiste na reação de alerta, juntamente com o piscar de olhos, caretas, elevação dos ombros e flexão da cabeça, cotovelos, tronco e joelhos. Sabe-se que o cansaço e a tensão exacerbam a reação, enquanto que ocorre diminuição da repetida estimulação.
Os ataques habitualmente estão relacionados com o aumento do tônus muscular e clônus (série de contrações musculares involuntárias) espontâneo. Em certos casos, pode ocorrer perda de tônus muscular associada a uma sensação de enrijecimento da musculatura.

Quando ocorre uma reação demasiada de sobressalto, esta pode ser seguida de queda, possivelmente causada devido à perda do controle postural. Esta queda pode resultar em problemas mais sérios, bem como pode também haver consequências mais graves decorrentes da tensão muscular, como o deslocamento da bacia e hérnias.

A apresentação neonatal, conhecida também pelo nome de síndrome do bebê enrijecido ou síndrome do homem rígido no recém-nascido, caracteriza-se por hipertonia que se inicia logo no primeiro ano de vida do indivíduo, manifestando-se, em especial, ao redor dos ombros, apresentando sobressaltos em excesso que podem ser gerados por meio de batidas na ponta da glabela (espaço existente entre as sobrancelhas), bem como por meio da alimentação; contudo, pode surgir espontaneamente. Este sobressalto consequente da batida glabelar resulta não apenas em um aumento do tônus muscular, mas também pode levar à apneia em lactentes. Também pode ser observado sufocamento frequentemente e dificuldade para deglutir. Ao passo que a idade avança, o indivíduo pode apresentar hiperreflexia, marcha atáxica e clônus rítmico.

A transição do estado de alerta para o sono possibilita a normalização do tônus basal, mas em certos casos, os pacientes evidenciam abalos mioclônicos copiosos e violentos dos membros mesmo durante o sono tranquilo.

O diagnóstico pode ser detectado por meio do eletroencefalograma. O tratamento de eleição é o medicamentoso, no qual se utiliza o valproato e o clonazepam. Este último é utilizado em doses relativamente elevadas de 0,1 a 0,2 mg/kg/dia; todavia, a sintomatologia pode ser controlada apenas parcialmente. Este mesmo pode auxiliar na prevenção de problemas neonatais. Em certas situações de aumento do tônus, pode não ocorrer resposta positiva à administração de benzodiazepinas, porém a flexão forçada dos membros inferiores, da cabeça e do tronco pode interrompê-los. Acredita-se que casos familiares respondam melhor ao clonazepam. Nos casos em que este último é ineficaz, o ácido valpróico, o 5-hidroxitriptofan, ou o piracetam podem levar à redução do sobressalto anormal.
Fonte: brasilescola.com / scielo.br / infoescola.com

saúde

curiosidades

psicologia

 
Copyright © 2011 - 2014 O Controle da Mente - A Ciência em Ação!