Ultimas

Adrenalina pura! O que acontece com o coração nesta hora?

ADR 200

A adrenalina é um hormônio liberado pelas glândulas que ficam sobre os rins (glândulas suprarrenais). A presença no organismo se dá através de um sinal liberado em resposta ao grande estresse físico ou mental, situações de forte emoção como, por exemplo: descida em montanha russa, salto de paraquedas, esportes radicais em geral.

A adrenalina atua como um neurotransmissor que tem efeito sobre o sistema nervoso simpático, preparando o organismo para um grande esforço físico. Os sintomas característicos da liberação de adrenalina são: suor, vasoconstrição, aumento dos batimentos cardíacos, dilatação das pupilas e brônquios (aumenta a visão e deixa a respiração ofegante), eleva o nível de açúcar no sangue, entre outros.

A adrenalina pode ocasionar a morte?
O aumento dos batimentos cardíacos faz com que o sangue seja bombeado mais rapidamente. Esse efeito só ocorre por que os vasos se contraem ficando mais finos (vasoconstrição), acelerando a circulação sanguínea. O problema é que, se alguma artéria que leva sangue ao coração estiver um pouco entupida, o estreitamento agravará o quadro: o sangue não circula e então ocorre a morte de um conjunto de células por falta de oxigênio, mais conhecido como infarto.

Como se vê, a Adrenalina recebe duas classificações: hormônio e neurotransmissor, mas se tratando das classes orgânicas, ela se caracteriza como Amina (presença de NH2).

Fique sabendo agora a origem da palavra Adrenalina!
O neurotransmissor foi nomeado como "adrenalina" pelo cientista que conseguiu isolá-lo pela primeira vez, o bioquímico japonês Jokichi Takamine. Ele se inspirou na localização do hormônio no organismo: ad- (prefixo que indica proximidade), renalis (relativo aos rins) e o sufixo -ina, (referente a classe pertencente às aminas). (fonte: www.brasilescola.com)
Postar um comentário
 
Copyright © 2011 - 2014 O Controle da Mente - A Ciência em Ação!