Ultimas

Masoquismo e Automutilação

imagesCAZJQTOE

Este tipo de comportamento pode ser causado por condições específicas, tais como perturbações do comportamento ou o síndrome de Cornelia de Lange, uma doença genética rara que retarda o desenvolvimento físico e provoca graves dificuldades de aprendizagem. Pode também surgir como ‘sinal de alarme’ quando os jovens são alvo de grandes pressões ou perturbações, por exemplo, quando são brutalizados ou violentados.

pp

É automutilação todo comportamento em que ferimentos são infligidos em si mesmo. Pode assumir muitas formas, incluindo excesso de comprimidos ou drogas, queimaduras, saltos de grandes alturas, choque de veículos ou cortes no corpo. É algo que chama a atenção. E geralmente espantoso quando os ferimentos possuem gravidade.

images71

Se pensarmos na automutilação como parte de um repertório autodestrutivo, não é difícil de compreendê-la: é simplesmente agressividade autodirigida, transmutada em ato de punição fisíca. Contudo, se pensarmos na automutilação como um acometimento necessário para se apaziguar um tormento psíquico, aí fica mais difícil de se compreender, porém não impossível.

images72

O sujeito, em situação penosa de extrema angústia, se mutila. E, após a automutilação, obtém um certo alívio da angústia que o afligia. Devemos considerar as diferenças entre as dores da alma e as dores do corpo. Parece haver sempre em nosso organismo a necessidade de uma justificativa concreta e material para nossos sofrimentos.

imagesCA4AZ7RX

Como se já não bastassem os sofrimentos concretos, tudo o que padece nosso corpo, ainda padecemos de abstrações, de conjecturas. Como se não bastasse o sofrimento presente, ainda nos angustiamos com o que está longe e ausente, seja passado, futuro, ou toda e qualquer forma de preocupação e ansiedade.

imagesCAC8FLYN

Freud, em "O mal-estar na civilização (1930)", salienta que o sofrimento pode nos abordar das mais diversas direções. E que o sofrimento proveniente da relação com os outros é ainda sentido como mais penoso, pois é interpretado como um acréscimo, um suplemento gratuito a nossos dramas de existência. Das relações com o próximo padecem seres das mais variadas espécies. O maior problema do ser humano é sua relação com o que não é presente. E é isto, contudo, o que nos torna humanos.

imagesCAHK5MHS

A auto-mutilação, para quem padece dela, produz uma compensação física para o sofrimento impalpável e cego da alma.

images74

Para a psiquiatra Vera Zimmermann, esse comportamento se aproxima da patologia: "Eles não encaram a pele como invólucro do corpo, como proteção. Na hora do exacerbamento da angústia, não há limites e eles só conseguem extravasar em si mesmos. A dor física expressa a dor emocional."

imagesCAL4RGWK

A psiquiatra explica que este comportamento é suicida, embora morrer não seja o objetivo final: "Essas pessoas têm a autoestima extremamente baixa. O que elas fazem é um micro-suicídio. Elas acham que merecem o sofrimento, não a morte".

imagesCASEQTRL

Raramente o exibicionismo está ligado ao "cutting". Muitos pais só descobrem que os filhos se cortam anos depois. Eles fazem isso na intimidade do quarto ou no banheiro e escolhem partes do corpo que podem ser escondidas, como pernas e barriga. Nos braços e pulsos, eles usam a mangas compridas para esconder as cicatrizes.

imagesCAUORBEV

A psiquiatra Vera Zimmerman diz que as inscrições no corpo são elementos de identificação em um grupo, chegando até a perder o limite entre a estética e o sofrimento. Um exemplo de como isto é quando o indivíduo leva  até as últimas consequências (scarification), uma cicatriz parecida com tatuagem, mas feita com bisturi. Outra prática um tanto dolorosa é o "branding", que marca a pele com ferro quente, da mesma forma que é feito com gado. A média de preços é a mesma das tatuagens tradicionais e varia de acordo com o tamanho.

imagesCAX227SQ

Segundo a Dra. Vera, quem recorre à automutilação é porque não encontrou escapes saudáveis para a angústia: "Isso revela uma fragilidade na construção da personalidade e é um hábito muito difícil de abandonar. Se a pessoa consegue se aliviar das cobranças assim, ela vai repetir toda vez que se sentir pressionada".

imagesCAIU0F7L

"No tratamento, às vezes é necessária a prescrição de ansiolíticos, mas o principal é a terapia para descobrir a causa do problema", esclarece a terapeuta.

imagesCAXTFQ53

Não há dados estatísticos se quem sofre mais com a automutilação são os rapazes ou as raparigas, mas uma coisa é certa: as maiores vítimas são os adolescentes. A médica explica que as pessoas que têm crise de angústia na vida adulta a expressam de outra forma, como em compulsões alimentares ou até mesmo o suicídio. (Fonte: http://www.portaldascuriosidades.com)
Postar um comentário
 
Copyright © 2011 - 2014 O Controle da Mente - A Ciência em Ação!