Ultimas

Menina de 13 anos apedrejada por adultério!



Mais uma vez, os Camelinhos de Alá demonstram a sociedade tosca, ridícula, imbecil e débil mental que eles criaram. Uma menina de 13 anos foi apedrejada até a morte por adultério na Somália. Isso é revoltante o suficiente? Não? E que tal se disséssemos que este “adultério” foi devido ao fato dela ter sido estuprada por três homens? Ficou revoltante o suficiente?



Segundo a organização de defesa dos direitos humanos da Anistia Internacional, Aisha Ibrahim Duhulow foi morta por um grupo de 50 homens em um estádio na cidade portuária de Kismayo, no sul do país, diante de mil espectadores psicóticos. A menina foi acusada de violar leis islâmicas e detida pela milícia al-Shabab, que controla a cidade.



“Dentro do estádio, membros da milícia abriram fogo quando algumas das testemunhas tentaram salvar a vida de Duhulow, e mataram a tiros um menino que estava observando tudo”, disse nota no website da Anistia Internacional. Segundo a organização, há notícia de que depois um porta-voz da al-Shabab pediu desculpas pela morte da criança, e disse que um miliciano seria punido. Ou seja, 3 psicopatas estupram a garota e o miliciano é que paga o pato.



Jornalistas somalianos haviam noticiado que Duhulow tinha 23 anos de idade, julgando pela sua aparência física. A verdadeira idade dela só veio à tona quando seu pai disse se tratar de uma criança. Duhulow lutou contra quem a detinha, e foi levada à força para dentro do estádio.



A Anistia Internacional disse que foi informada por várias testemunhas que, em dado momento durante o apedrejamento, enfermeiras receberam instruções para verificar se Aisha Ibrahim Duhulow ainda estava viva.



Ao constatarem que sim, a menina foi recolocada em um buraco no chão onde tinha sido coberta de pedras, para que o apedrejamento continuasse até sua morte. Segundo a Anistia, nenhum dos homens que estupraram a menina foi preso.



A Anistia Internacional vem realizando uma campanha para pôr fim à prática de punição por apedrejamento. “A morte de Aisha Ibrahim Duhulow demonstra a crueldade e a discriminação inerente contra mulheres nesta punição”, disse nota no website da organização.



De acordo com o Diário de Notícias de Lisboa, os extremistas islâmicos, associados à Al-Qaeda, justificaram a “misericordiosa execução” alegando que Aisha Ibrahim Duhulow praticou adultério, um crime de honra punido com a morte.



No estádio de Kismayo, onde se encontravam cerca de mil espectadores, revela o jornal inglês The Guardian, foi aberto um buraco no chão onde colocaram Aisha que, manietada de pés e mãos, ainda tentava resistir aos seus verdugos. Um grupo de 50 homens atirou contra ela as pedras que, para o efeito, haviam sido trazidas para o estádio. Por três vezes, Aisha foi retirada do buraco e observada por enfermeiras que atestaram ela estar ainda viva. E o apedrejamento prosseguiu… até à morte.



“O apedrejamento foi totalmente ilógico e nada teve de religioso. O islã não executa mulheres por adultério a não ser que quatro testemunhas e o homem com quem ela cometeu adultério venham a público atestá-lo”, disse uma irmã de Aisha, cuja família se afirmou furiosa com o ocorrido e cujo pai garante que a vítima só tinha 13 anos. Era a 13ª de uma família de seis irmãos e seis irmãs e nasceu no campo de refugiados de Hagardeer, no Sul do Quénia, em 1995, onde a família chegou três anos antes em fuga de Mogadíscio. Aisha, que sofria de epilepsia, estaria de regresso à capital somali e teve de parar na cidade Kismayo, que as milícias extremistas capturaram no passado mês de Agosto.



O assassinato de Aisha foi condenado pela presidência da União Europeia e pela Anistia Internacional, enquanto as milícias Al-Shabab prosseguem a sua política de radicalização da sociedade de Kismayo. É uma vergonha que a impunidade, propagada por uma estúpida raça de religiosos, cujas leis remontam a Idade Média, reine absurdamente. A Europa ainda teve a sorte de escapar desse lixo medieval com o Renascimento e o Iluminismo (se bem que as Ovelhinhas do Senhor façam de tudo para voltarmos à Idade das Trevas). Só que esses dois eventos não acontecerão com os lixos que dirigem a religião islâmica nesses países.



É uma vergonha para com aqueles que sustentaram culturalmente uma civilização, dedicando-se à Ciência, Filosofia, Medicina etc. Mas, os ridículos fundamentalistas gostam de chafurdar como porcos que são. Em qualquer sociedade no mundo animal, as espécies cooperam entre si e os membros de determinada manada protegem-se entre si. O Ser Humano é o único que ataca os mais fracos e indefesos para extravazar a sua bestialidade. E isso é devido a uma coisa que o ser humano tem e os demais animais não: o câncer sociológico chamado “Religião”. (Fonte: http://ceticismo.net)
Postar um comentário
 
Copyright © 2011 - 2014 O Controle da Mente - A Ciência em Ação!