Ultimas

Balas de borracha também podem matar!

knlvklxcvlç

Artigos em revistas médicas de vários países, baseados em experiências em todo o mundo, deixam claro: as "balas de borracha" são na verdade armas "menos letais", em vez de "não letais".

Elas produziram várias mortes e ferimentos incapacitantes em locais como a Irlanda do Norte, Israel/Palestina, Caxemira (Índia) e mesmo o Brasil. Obviamente, muito menos do que se fosse usada munição letal real.

bala

Os estudos deixam claro duas coisas: os ferimentos ou mortes se devem tanto a um tipo de munição pouco recomendável como à falta de disciplina no uso.

Em vez de atirar no chão ou mirando nas pernas, a distâncias de mais de 40 metros, os policiais dispararam de perto contra o tronco ou a cabeça, contrariando as "regras de engajamento" da polícia.

manifestacao-confronto19

As tais balas de borracha - que hoje também podem ser de plástico - foram introduzidas pelos britânicos durante o conflito na Irlanda do Norte em 1970. Eram uma espécie de "cassetete disparado", feito de borracha com 15 cm. Depois vieram balas menores, disparáveis de fuzis comuns com carga menor de explosivo propelente.

kldfbç

Os britânicos foram os maiores usuários da história. Entre 1970 e 1975 foram disparados 55 mil dessas balas na Irlanda do Norte.

Uma pessoa morreu a cada 16 mil disparos; um em cada 800 teve ferimentos sérios, e um em cada 1.900 teve lesões incapacitantes.

PERIGO

Os israelenses foram grandes usuários desse arsenal teoricamente "não letal" durante os distúrbios palestinos conhecidos como Intifada.

lçklçkçl

Mas suas balas, menores, com núcleo de metal, foram mais perigosas. Mataram em média, dez vezes mais pessoas do que as balas de borracha britânicas na Irlanda do Norte. De 1987 a 1993, foram mais de 20 mortos.

De calibre menor, as balas israelenses também eram bem mais perigosas se atingissem o peito, a cabeça e, principalmente, os globos oculares. Cegueira é um risco, mas já houve caso de bala de borracha que atingiu o globo ocular em um ângulo letal, fazendo a bala penetrar o cérebro e matar na hora.

jklxcklçxc lç

Um estudo feito pela equipe de João Rezende Neto, da UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais), publicado na revista médica "World Journal of Emergency Surgery", revelou um caso de penetração do peito por bala de borracha que precisou de cirurgia para ser retirada, e tratar dano ao pulmão. (Postado por O Controle da Mente – Fonte uol)

Postar um comentário
 
Copyright © 2011 - 2014 O Controle da Mente - A Ciência em Ação!