Ultimas

Doença misteriosa faz mulher expelir pedras pelo olho

image

Laura já fez mais de 30 consultas médicas com diagnósticos imprecisos. Especialista de Bauru, SP, diz que nunca viu um caso semelhante.

Uma professora de Lins (SP) sofre com uma doença misteriosa que deixa o olho inchado e muito vermelho. Há 19 anos, uma membrana branca sai do olho direito de Laura Ponci e, momentaneamente, o incômodo e a vermelhidão vão embora. Segundo a mulher, até dormindo a membrana “pula” do olho e desde a primeira vez que aconteceu o caso, já foram mais de 30 médicos consultados e somente diagnósticos desencontrados.

“Já passei por todos os especialistas possíveis. Até médicos de ouvido e garganta já consultei e eles falam que a doença é uma conjuntivite lenhosa, que é a falta de uma enzima chamada plasminogênio. No entanto, já fiz diversos exames que eles solicitaram e todos deram resultados normais”, conta a professora.

O plasminogênio é uma enzima fabricada pelo organismo. Portadores da conjuntivite lenhosa têm baixa fabricação dessa enzima e por isso ocorre a produção da membrana. A diferença para o caso de Laura é que na conjuntivite lenhosa, conhecida pelos médicos, a membrana só sai com intervenção cirúrgica e não espontaneamente como a da professora de Lins.

image

Desde os 15 anos, Laura sofre com o problema, o preconceito e a falta de informação. Ela diz que, na rua, as pessoas se afastam com medo de ser uma doença contagiosa e não consegue trabalhar porque não existe uma rotina, já que a membrana pode sair do olho a qualquer momento. “Sou professora e trabalho com crianças, mas não dá para exercer minha profissão porque o olho fica inchado e quando me agacho, a membrana começa a sair. Tenho vergonha de sair de casa porque a membrana não tem hora para sair e nem para terminar”, alega Laura.

Segundo Laura, nesses 19 anos atrás de um tratamento, a visão do olho direito nunca foi afetada. A professora conta ainda que alguns médicos cogitaram a hipótese dela mesma colocar a membrana no olho. Outros, mesmo sem saber do que se trata, disseram que ela terá que conviver com isso pelo resto da vida.

“O último médico que eu fui disse que não tem cura e que tenho que conviver com a doença, mas não acredito nisso. A dor que eu sinto é muito grande, é como se eu tivesse levado um soco, por isso, acho sim que existe uma cura”, diz a professora que conta que o único tratamento que faz é colocar água gelada nos olhos quando eles estão irritados.

Mistério

A reportagem do TEM Notícias mostrou o vídeo da membrana saindo do olho da professora para um oftalmologista no Hospital de Olhos de Bauru (SP). Por cinco minutos, o doutor André Hamada analisou o vídeo repetidas vezes. Além disso, o especialista também assistiu a entrevista em que a professora contou os sintomas.

“Nunca tinha visto um caso semelhante. Apesar de não ter visto a paciente, a situação dela pode ser um caso atípico de conjuntivite lenhosa, mas não conseguimos encaixar na patologia comum devido ao aspecto da membrana cair facilmente do olho dela”, explica o oftalmologista.

Segundo o especialista, o caso de Laura pode ser uma conjuntivite lenhosa atípica porque geralmente, a membrana formada nos olhos só consegue ser retirada em um centro cirúrgico. Além disso, de acordo com André, o diagnostico da professora de Lins pode ser apenas clínico. “Com certeza ela já deve ter feito uma biópsia da membrana e, se deu tudo normal, o caso fica ainda mais misterioso”, diz o médico com mais de 20 anos de experiência. (Postado por O Controle da Mente – Fonte: G1)

Postar um comentário
 
Copyright © 2011 - 2014 O Controle da Mente - A Ciência em Ação!