Ultimas

Primeiro transplante de cabeça divide opinião de médicos

transplante-de-cabeca

Até agora, transplantes de cabeça não foram feitos por causa de barreiras técnicas, como a capacidade de conectar a medula espinhal do doador com a do receptor. No entanto, um novo artigo do Dr. Sergio Canavero, membro do Turin Advanced Neuromodulation Group, diz que já somos capazes de superar as dificuldades.

No texto, o médico esboça um processo modelado em transplantes de cabeça bem sucedidos que foram realizados em animais desde 1970.

Eduardo D. Rodriguez, M.D.

Literatura científica

Nos transplantes feitos em animais, os cientistas não foram capazes de conectar a medula espinhal do corpo doador à cabeça do receptor, o que deixou os pacientes paralisados abaixo do ponto de transplante.

No entanto, Canavero crê que avanços recentes em reconexão da coluna vertebral cortada cirurgicamente podem facilitar a técnica e torná-la possível em humanos.

O procedimento que o médico esboça é muito parecido com o usado por Robert White, que transplantou com sucesso a cabeça de um macaco rhesus no corpo de um segundo rhesus em 1970.

Em primeiro lugar, ambos os pacientes devem estar na mesma sala de operações. Em seguida, a cabeça a ser transplantada deve ser resfriada entre 12 e 15 graus Celsius. Movendo-se rapidamente, os cirurgiões devem remover ambas as cabeças ao mesmo tempo, e religar a cabeça do paciente no novo corpo dentro de uma hora para preservar o sistema circulatório do organismo.

Uma vez que a cabeça é reconectada, o coração do paciente pode ser reiniciado, e os cirurgiões podem começar a religar outros sistemas vitais, incluindo a medula espinhal.

Medula espinhal: a chave

A ligação de uma medula espinhal da cabeça de uma criatura com o corpo de outra nunca foi tentada nem em animais, por isso o artigo de Canavero deve ser tomado como um exercício de especulação.

No entanto, o corte e religação da medula espinhal no mesmo animal já foram feitos com certo sucesso no passado. Por exemplo, cientistas da Case Western Reserve University e da Cleveland Clinic (ambas nos EUA) foram capazes de restaurar conectividade limitada entre duas metades cortadas da medula espinhal de ratos.

A religação de medulas espinhais pode ser realizada através do encorajamento dos mecanismos naturais de cura do corpo. Canavero acredita que cortar a medula espinhal com uma faca superafiada e ligá-la imediatamente ao corpo de outra pessoa permite uma conexão mais completa.

“É este ‘corte limpo’ que é a chave para a fusão da medula espinal, na medida em que permite que axônios proximais cortados sejam ‘fundidos’ com seus homólogos distais. Esta fusão explora os chamados fusogens/selantes, que são capazes de reconstituir imediatamente membranas de células danificadas pela lesão mecânica, independentemente de qualquer mecanismo de vedação endógeno conhecido”, explica Canavero.

O médico sugere que plásticos como o polietileno glicol sejam utilizados para realizar esta fusão, citando pesquisas anteriores que demonstram que a substância permitiu a fusão de medulas espinhais cortadas em cães, por exemplo.

Quem se beneficia

De acordo com Canavero, religar medulas espinhais de pessoas diferentes não é o mesmo que restaurar a função do sistema nervoso em tetraplégicos ou outras vítimas de lesão medular traumática.

No entanto, paraplégicos com lesões qualificadas (ou seja, com suficiente medula espinhal intacta para permitir um transplante de cabeça) poderiam, em teoria, recuperar o pleno uso do corpo (doado). Da mesma forma, pacientes com distrofia muscular poderiam ganhar uma nova vida.

Só que tudo isso ainda está longe da realidade. O novo artigo aponta que o transplante é apenas teoricamente possível e, além dos enormes desafios que tal cirurgia apresenta, outra barreira potencial é seu custo. Canavero estima que a despesa total de um transplante de cabeça seria de pelo menos 10 milhões de euros (cerca de 29 milhões de reais).

Por fim, a bioética de tal procedimento também é extremamente controversa – mesmo quando os cientistas provarem a eficácia da operação, suas implicações práticas devem ser muito debatidas.

via: hypescience

Postar um comentário
 
Copyright © 2011 - 2014 O Controle da Mente - A Ciência em Ação!