Ultimas

Cobra com patas dianteiras e traseiras foi encontrada no Brasil

Um estudo recente divulgado na revista Science dessa última quinta feira descreveu o fóssil de uma nova espécie de cobra, que viveu no Brasil há mais de 120 milhões de anos e tinha como característica mais chamativa o fato de ter patas. O estudo foi desenvolvido por David M. Martill, paleontólogo da Universidade de Portsmouth, no Reino Unido, Helmut Tischlinger e Nicholas Longrich.

Fóssil de cobra pré-histórica
                                                        (Foto: Reprodução/Nature)

Logo após ser divulgada, a nova tese de que algumas espécies de cobras podem ter tido patas antes de passarem por um processo evolutivo gerou polêmica entre estudiosos. Segundo o artigo da Science, a peça é originária da Formação Crato, na Bacia do Araripe, no Ceará, porém, a peça encontra-se na Alemanha. Como o autor da investigação e o museu onde se encontra o artefato não deram detalhes sobre como ele teria chegado à Europa, a suspeita principal é que ela pode ter sido retirada de maneira ilegal do país e levada para a Alemanha, onde está abrigada no Museu Bürgermeister-Müller, em Solnhofen.

A ESPÉCIE

A “cobra-de-patas” foi catalogada como ‘Tetrapodophis amplectus’. O animal possuía quatro patas com cinco dedos cada e teria vivido quando ainda existia o supercontinente Gondwana, no território onde atualmente fica o Brasil. Para os autores da pesquisa, o fóssil comprova ainda mais uma tese debatida a anos:  de que lagartos e cobras, em termos de evolução, são espécies muito próximas.


Cobra pré-histórica
       (Ilustração mostra como seria a espécie Foto: Reprodução/Nature/Julius Cstonyu)

Segundo Martil, a nova espécie de cobra tem um corpo plano de serpentes com um tronco alongado, cauda curta e grandes escamas ventrais, sugerindo características de locomoção serpentina, além, claro, das patas que eram bem pequenas com relação ao resto do corpo. “A estrutura de membros sugere que elas foram adaptadas para agarrar coisas como sua presa ou para segurar a fêmea durante o acasalamento”, diz a descrição do artigo.

“É o primeiro fóssil de cobra com quatro patas e cinco dedos. Isso muda a história evolutiva das cobras. Conhecia-se apenas três estágios e agora, eles são quatro”, explica Álamo Feitosa, diretor científico do Geopark Araripe em entrevista ao G1.
Via: Topbiologia/G1)

Postar um comentário
 
Copyright © 2011 - 2014 O Controle da Mente - A Ciência em Ação!