Quando Cypres Salon, das Filipinas, não ouviu a filha chorar logo após o parto, teve medo de que seu bebê não estivesse bem. Autorizada a ver a filha somente depois de cinco dias, Cypres finalmente descobriu o que havia impedido o choro da pequena Angel e entendeu a gravidade da situação: a garotinha nasceu com uma hérnia rara em seu rosto.

A encefalocele, como a condição é conhecida, acontece quando o tecido que envolve o cérebro e o próprio crânio não se fecham completamente no útero materno. Esse tipo de condição é mais comum em regiões do Sudeste Asiático.

Cypres revelou, em declaração publicada no Daily Mail, que se sentia culpada pela situação da filha, e que chorava sempre que olhava para ela. Com apenas quatro meses de idade, a garota enfrentou seu primeiro procedimento cirúrgico, mas a intervenção não impediu que a hérnia deixasse de crescer. Aos poucos, Angel foi ficando com o rosto cada vez mais coberto pela protuberância.
Publicidade

Dificuldades

O tamanho da proeminência passou a impedir que Angel tivesse uma vida normal, já que a garota tinha dificuldades para respirar e dormir – além os impedimentos físicos, a garota não conseguia interagir com outras crianças, já que a maioria delas tinha medo de Angel.

Sabendo que era diferente, a menina tinha a grandeza de não brigar ou chorar quando era abordada por crianças assustadas. De acordo com a mãe, certa vez Angel tocou o ombro de um menino, sorriu e disse “oi” logo depois de ele ter apontado, em choque, para o seu rosto. “Eu fiquei tão orgulhosa dela!”, disse Cypres.

Após conseguirem US$ 8 mil para cobrir alguns gastos da cirurgia de remoção completa da hérnia, Angel e seus pais foram encaminhados para a Children First Foundation, uma organização que busca transformar a vida de crianças que apresentam alguma condição rara.

Final feliz

Com a ajuda da instituição, Angel foi encaminhada a um grupo de médicos da Austrália e da Nova Zelândia, que oferecem tratamentos gratuitos a pessoas de regiões pobres da Ásia. O procedimento em Angel foi realizado em setembro – a cirurgia durou quatro horas e foi preciso que os médicos retirassem material ósseo do quadril da garota, para que o buraco em sua testa fosse fechado.

Nos próximos meses, Angel será levada novamente para a Austrália, para realizar mais uma cirurgia em seu nariz. Por enquanto, a pequena guerreira comemora o fato de que agora pode enxergar normalmente, dormir melhor e brincar com outras crianças sem sofrimento – no dia 5 de novembro ela ganhou uma festa de aniversário e, ao lado dos amigos e vizinhos, comemorou a data cheia de alegria.