Ultimas

Litíase Biliar - Entenda a Origem Dessa Enfermidade!

Litíase Biliar ou Cálculos biliares, cálculos na vesícula ou “pedras” na vesícula são termos usados para referir-se a concreções que se formam no interior da vesícula biliar, um órgão que se localiza junto ao fígado e tem a função de armazenar a bile produzida por ele. Em grande parte (cerca de 90%) esses cálculos são formados de colesterol e, em menor parte (cerca de 10%), por pigmentos de bilirrubina. Os cálculos biliares podem ser únicos ou múltiplos (às vezes centenas), e se formam no interior da vesícula, podendo migrar para os ductos que a ligam ao intestino. Eventualmente, podem causar infecções na vesícula ou obstruir o colédoco (canal de escoamento da bile), causando dor aguda, conhecida como cólica biliar.

Quais são as causas dos cálculos biliares?

Existe uma inegável predisposição genética, mas há outros fatores que favorecem o aparecimento dos cálculos na vesícula, como:
  • Perda importante de peso.
  • Uso de anticoncepcionais orais.
  • Dieta rica em gorduras.
  • Pressão arterial elevada.
  • Vida sedentária.
  • Tabagismo.
  • Anemia hemolítica crônica, em virtude da destruição das células vermelhas do sangue.
  • Obesidade.
Esses distúrbios predominam no sexo feminino, na idade avançada e na gravidez.

Quais são os sintomas causados por cálculos biliares?


Muitas vezes, os cálculos na vesícula são assintomáticos e a pessoa nem imagina que os tenha. O sintoma mais gritante que produzem é a cólica biliar, que ocorre quando provocam inflamação da vesícula ou quando migram, obstruindo os canais que drenam a bile, causando uma distensão aguda da vesícula biliar.

Como o médico diagnostica a presença de cálculos biliares?

A história clínica do paciente, em geral bastante característica, é o primeiro dado sugestivo. A confirmação dos cálculos pode ser feita por meio da ultrassonografia abdominal, uma vez que eles, ao contrário dos cálculos renais, não aparecem na radiografia simples do abdome. Também a cintilografia pode ser utilizada e fornece informações sobre o fluxo de bile e, indiretamente, sobre os cálculos.

Como é o tratamento dos cálculos biliares?


Alguns medicamentos podem atuar dissolvendo os cálculos e podem ser indicados para os pacientes que não apresentam sintomas. Seus efeitos, no entanto, não são seguros. Outras vezes eles podem ser retirados por laparoscopia ou por uma cirurgia convencional que retire toda a vesícula. Outro tratamento possível é a litotripsia extracorpórea. Nessa técnica, ondas de choque são aplicadas na superfície do abdome, dirigidas aos cálculos, com o objetivo de fragmentá-los em pedaços menores que possam ser eliminados. Porém, as indicações desse tratamento são restritas. Cada uma dessas técnicas têm suas indicações e contraindicações específicas que, no caso concreto, somente o médico assistente pode julgar.

Quais são as possíveis complicações dos cálculos biliares?

  • Colecistite aguda: inflamação aguda das paredes vesicais, na maior parte das vezes (95%) causada por cálculos biliares.
  • Coledocolitíase (ou “pedra” na vesícula): desenvolve-se quando o cálculo obstrui o colédoco, gerando cólica biliar.
  • Colangite: infecção dos canais biliares por bactérias, após a obstrução.
  • Pancreatite: inflamação do pâncreas. O canal de excreção da bile se junta com o canal de excreção pancreática do pâncreas. Quando a obstrução ocorre após a junção, o suco pancreático também se represa, causando uma inflamação do pâncreas.
Assista o vídeo a seguir com a entrevista médica sobre as problemáticas causadas pelos cálculos biliares:

 
Fonte: abc.med.br
Postar um comentário
 
Copyright © 2011 - 2014 O Controle da Mente - A Ciência em Ação!