Ultimas

Diagnóstico da Esquizofrenia Leva em Conta Histórico e Combinação de Sintomas

“Atualmente, não existe nenhum exame capaz de diagnosticar a esquizofrenia”, explica o psicanalista clínico Paulo Miguel Velasco. Apesar de toda a complexidade que envolve a identificação do transtorno, alguns métodos podem facilitar o diagnóstico. Paulo cita que o psiquiatra responsável deve levantar o histórico do paciente com a família, o que pode facilitar a distinção dos sintomas, e aplicar testes psicoterápicos a fim de avaliar a saúde mental.

(Psicanalista Paulo Velasco - Contatos: paulo.velasco.psi@gmail.com)

Além disso, a psiquiatria diz que o profissional deve utilizar os critérios presentes no DSM-5 (Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais, principal guia de saúde mental) e no CID-10 (Classificação Internacional de Doenças) para comparar a combinação de sintomas com o período de permanência (que varia de acordo com a diretriz). Esses recursos podem diferenciar um quadro de esquizofrenia dos chamados “falsos positivos”, que apresentam sinais parecidos com os do transtorno, mas são ocasionados por outros fatores, como o consumo excessivo de álcool e drogas.

O caminho para superar

Se diagnosticar a esquizofrenia é uma tarefa complexa, tratá-la pode ter o mesmo grau de dificuldade. O tratamento passa pelo farmacológico, em que os remédios antipsicóticos têm um papel central, associado ao tratamento psicossocial: terapia individual (coping, laborterapia, terapia ocupacional), terapia familiar, terapia em grupo, entre outras. O profissional revela que muitos precisam do tratamento para toda a vida; porém, atualmente, entre 11% e 13% dos pacientes alcançam a cura total, sem qualquer sequela psíquica, comportamental, afetiva ou social.

Veja neste vídeo a importância a importância do diagnóstico da esquizofrenia:

Fonte: altoastral.com.br
Postar um comentário
 
Copyright © 2011 - 2014 O Controle da Mente - A Ciência em Ação!