Ultimas

PANDAS - Nova Doença Que Está se Alastrando Pelo Mundo

O nome PANDAS é o acrônimo de P (pediátrico), A (autoimune), N (neuropsiquiátrico), D (doença), A (associada) e S (Streptococcus). O termo é utilizado para descrever um grupo de crianças e adolescentes que possuem Transtorno Obsessivo Compulsivo (TOC) e/ou transtorno de tiques, que há agravamento do quadro após infecção por Streptococus.

A hipótese de PANDAS surgiu de observações de casos clínicos de crianças exageradamente dramáticas, que apresentam também TOC ou tiques nervosos, em associação com infecção. Há evidências que apoiam a relação entre infecção por Streptococcus e o início de algumas manifestações clínicas do TOC e tiques, mas a sua etiologia ainda não foi elucidada.

Acredita-se que esta desordem possa ser uma doença autoimune, que leva a uma combinação de tiques, obsessões, compulsões e outros sintomas.

As manifestações clínicas envolvem, além de TOC e tiques, sintomas ligados à exacerbação, tais como instabilidade emocional, enurese, ansiedade e perturbações da escrita. Comumente, este transtorno surge após uma amigdalite. Por apresentar similaridades com a síndrome de Tourette, alguns pesquisadores acreditam que haja certa relação entre ambas.

O diagnóstico de PANDAS é  feito com base nos seguintes pontos:
  • Presença de tiques e TOC;
  • Surgimento de manifestações neuropsiquiátricas no período pré-púbere;
  • Início abrupto dos sintomas, com intensificação do quadro intercalado com períodos de remissão parcial ou completa;
  • Associação temporal entre o surgimento ou intensificação dos sintomas e infecção estreptocócica prévia;
  • Movimentos adventícios durante a intensificação dos sintomas, como, por exemplo, hiperatividade motora ou movimentos coreiformes.
O tratamento é composto por terapia cognitiva-comportamental, fármacos utilizados no tratamento do TOC, tais como inibidores seletivos da recaptação de serotonina, bem como terapia convencional para tratar os tiques. Pesquisas apontam que o uso de antibióticos pode ser útil para diminuir infecção e prevenir a exacerbação dos sintomas. Também existe a possibilidade de realização de tratamento profilático com antibióticos; todavia, gera muitas controvérsias na comunidade científica, pois isso pode levar a um excesso de uso de antibióticos para tratar tiques ou TOC na ausência de infecção ativa.
Fonte: scielo.br / sochire.cl / intramural.nimh. nih.gov / wikipedia.org / infoescola.com
Postar um comentário
 
Copyright © 2011 - 2014 O Controle da Mente - A Ciência em Ação!