Ultimas

Paralisia Supranuclear Progressiva - Doença Genética ou Causada Por Vírus

A paralisia supranuclear progressiva, também conhecida como síndrome de Steele- Richardson- Olszewski, é um distúrbio de movimento causado por danos a certas células nervosas no cérebro. A causa do dano é desconhecida. A paralisia supranuclear progressiva pode ser genética (hereditária) ou pode ser causada por um vírus ou exposição a toxinas. 

Os sintomas são semelhantes aos de muitos distúrbios neurológicos e psiquiátricos. A paralisia supranuclear progressiva é difícil de diagnosticar. Para ajudar no diagnóstico, foi criada uma lista de critérios (tanto sintomas quanto os não sintomas). 

A cura para a paralisia supranuclear progressiva ainda não foi encontrada. No momento, o tratamento só pode ajudar a aliviar os sintomas. Os médicos podem usar medicamentos ou técnicas como a fisioterapia para tratar a paralisia supranuclear progressiva. Não há recuperação completa da paralisia supranuclear progressiva e a condição é eventualmente fatal.

Causas

A causa exata é desconhecida, apesar de várias teorias terem sido sugeridas. Alguns casos parecem ser hereditários, que a paralisia supranuclear progressiva pode ter uma causa genética. Isso pode ser devido a uma anormalidade genética ou mutação. Mutações genéticas são alterações no DNA do corpo (o modelo para todas as nossas características físicas e mentais). 
 
A paralisia supranuclear progressiva pode também ser causada pela exposição a toxinas, como pesticidas. A doença também pode vir de um vírus. A teoria é que um vírus pode entrar despercebido no corpo e replicar durante anos, até que, finalmente, provoca uma mutação genética que leva à paralisia supranuclear progressiva. Essas teorias ainda estão sendo testadas.

Sintomas

A paralisia supranuclear progressiva é uma doença neurológica progressiva. Os sintomas começam de forma lenta e gradualmente se tornam mais evidentes. Os sintomas da paralisia supranuclear progressiva também são comuns em outros distúrbios neurológicos e psiquiátricos. Os sintomas clínicos comuns da PSP incluem:
  • andar lento, cambaleante;
  • perda de equilíbrio, queda fácil;
  • dificuldade em olhar para cima (olhar vertical supranuclear);
  • quedas durante o primeiro ano (durante o primeiro ano de sintomas visíveis, os pacientes têm quedas inesperadas);
  • demência (pensamentos lentos, problemas de memória);
  • dificuldade de deglutição e fala arrastada.
As condições psiquiátricas, que se assemelham a paralisia supranuclear progressiva incluem:
  • esquizofrenia (uma doença em que os pacientes podem ter pensamentos alterados ou percepções que, por vezes, leva a terem alucinações);
  • transtorno bipolar (uma doença em que o paciente tem ciclos entre sentimentos de exaltação e de ficar profundamente deprimido);
  • depressão grave (uma doença em que os pacientes podem não ter interesse na vida, sentir profundamente triste e se tornar potencialmente suicida).
As doenças neurológicas que se assemelham à paralisia supranuclear progressiva incluem:
  • doença de Alzheimer
  • demência multi- infarto
  • doença de corpo de Lewy (formação de estruturas anormais no cérebro).

Diagnóstico

A paralisia supranuclear progressiva é subdiagnosticada devido à sua semelhança com outras doenças neurológicas e psiquiátricas. Os médicos determinaram que o primeiro ano é o mais importante para fazer um diagnóstico preciso. A melhor maneira de diferenciar clinicamente a paralisia supranuclear progressiva é usando estes critérios essenciais. Para um diagnóstico clínico da paralisia supranuclear progressiva, são necessários os critérios abaixo seguir:
  • início aos 40 anos de idade ou mais tarde;
  • progressão gradual da síndrome
  • olhar supranuclear vertical (dificuldade em olhar para cima);
  • cair no primeiro ano após os sintomas presentes (quedas ocorrem sem motivo).
Os critérios a seguir não são encontrados na paralisia supranuclear progressiva e a distinguem de perturbações neurológicas similares:
  • resposta ao tratamento com a medicação levodopa (doença de Parkinson);
  • alucinações ou delírios (doença de corpos de Lewy);
  • síndrome do membro alienígena (a mão ou outros movimentos nos membros sem controle consciente - característica de degeneração corticobasal).

Tratamento

A paralisia supranuclear progressiva não tem cura. Os neurologistas só podem se concentrar em aliviar os sintomas. Podem ser prescritos antidepressivos para ajudar a tratar problemas emocionais como a depressão e a apatia (falta de interesse). Os medicamentos para o tratamento incluem:
  • duloxetina (Cymbalta);
  • aripiprazol (Abilify);
  • escitalopram (Lexapro);
Muitos dos sintomas da paralisia supranuclear progressiva não podem ser tratados somente com medicação oral. Estes sintomas incluem espasmos da pálpebra, que podem ser tratados com injeções de toxina botulínica e exposição ceratite (secagem do olho causada por fechar de forma inadequada), que é tratado com colírios. 

Se os sintomas da paralisia supranuclear progressiva progredirem, poderá ser necessário mais do que medicamentos. Os pacientes podem precisar de ajuda para andar e para se comunicar. As medidas de suporte incluem:
  • andador ou cadeira de rodas;
  • fisioterapia ou terapia ocupacional;
  • terapia da fala para dificuldades de deglutição.

Perspectiva

Os pacientes com paralisia supranuclear progressiva estão enfrentando uma doença sem cura. Os médicos tentarão tratar os sintomas dos pacientes e oferecer apoio à medida que a doença progride. A neurodegeneração avançará até que seja grave o suficiente para ser fatal.

Prevenção

A prevenção é difícil, uma vez que a causa exata é desconhecida. A melhor maneira de prevenir qualquer doença é através da prática de um estilo de vida saudável. Como manter um estilo de vida saudável:
  • abster-se de fumar ou usar drogas recreativas;
  • seguir uma rotina regular de exercícios;
  • comer uma dieta rica em fibras e pobre em gorduras saturadas e açúcar
No vídeo abaixo você assistirá  cenas de pessoas portadoras da doença:

Fonte: healthline.com
Postar um comentário
 
Copyright © 2011 - 2014 O Controle da Mente - A Ciência em Ação!