Ultimas

Veja as 5 Doenças Que Mais Ameaçam o Bebê no Inverno e Como Evitá-las

No inverno, infelizmente, os bebês correm maior de contrair algumas doenças. A seguir, veja quais são elas e saiba tudo sobre cada uma delas:
Gripes, resfriados e nariz entupido

Infelizmente, gripes e resfriados são comuns no inverno. Os principais sintomas são: nariz entupido, tosse, espirros, olhos vermelhos, perda de apetite e uma leve febre.  Diante da gripe ou resfriado, a mãe deve continuar amamentando, caso amamente seu pequeno, e também fazer inalações. Converse com o pediatra sobre outros cuidados.

Caso a febre ultrapasse os 38,5 graus ou continuar por mais de 48 horas é importante entrar em contato com o pediatra. Também é necessário entrar em contato com o pediatra caso o bebê tenha uma tosse que dure mais de uma semana ou tenha dificuldades para respirar.

Alguns cuidados ajudam a prevenir a gripe e resfriados no bebê como lavar as mãos constantemente. Além disso, vacinar bebês maiores de seis meses contra o vírus da influenza e se vacinar na gravidez ou no período de 45 dias após o parto também ajuda a prevenir estas doenças.

Vírus Sincicial Respiratório (VRS)

O Vírus Sincicial Respiratório (VSR) causa infecção nos pulmões e sistema respiratório e é muito comum em bebês. Para se ter uma ideia, de acordo a Clínica Mayo até os dois anos de idade a maioria dos bebês já foi infectada pelo VSR.

O VRS tem sintomas muito parecidos com o da gripe e geralmente não causa maiores complicações. Porém, em bebês ele pode ter consequências muito mais graves e às vezes fatais. Por isso, é muito importante que os pais saibam reconhecer esta doença.

Os principais sintomas do VRS são:
  • Nariz entupido;
  • Tosse seca;
  • Febre baixa;
  • Dor de garganta;
Nos casos mais grave de VRS, os sintomas podem ser:
  • Febre;
  • Tosse severa;
  • Bebê faz um chiado na hora de respirar;
  • Respiração rápida, curta ou dificuldades para respirar;
  • Pele fica mais azulada devido à dificuldade para respirar;
  • Bebê não se alimenta bem;
  • Bebê fica mais desanimado e/ou irritado.
  • Busque ajuda médica imediatamente se o seu bebê apresentar dificuldades para respirar, febre alta ou ficar com a pele mais azulada, especialmente nos lábios ou unhas.
Tratamento de VRS

Infelizmente, não existe um tratamento especifico para VRS. É preciso aguarda o próprio sistema imunológico da pessoa reagir. O que pode ser feito são algumas atitudes para deixar o bebê confortável, por exemplo, se ele estiver no hospital, podem oferecer oxigênio para que respire melhor, entre outras.

Dicas pra prevenir o VRS no bebê
  • Lave suas mãos frequentemente e peça para que as outras pessoas também lavem as mãos antes de entrar em contato com o bebê. O ideal é lavar as mãos com água e sabão por cerca de 20 segundos;
  • Evite o contato próximo, como beijar, dividir copos ou comer com os mesmo talheres, com pessoas que estão gripadas;
  • Não deixe que pessoas gripadas, com outra doença que possa ser transmitida e até mesmo com febre visitem o bebê, especialmente nos primeiros meses de vida. Lembre-se: o VRS tem sintomas semelhantes aos da gripe, portanto a pessoa pode achar que está com gripe, mas na verdade tem algo que pode ser letal para bebês pequenos;
  • Se possível, evite levar seu bebê para locais fechados e cheios de pessoas, como o shopping ou ônibus;
  • Mantenha o ambiente da sua casa higienizado;
  • Limpe e desinfete objetos que as pessoas frequentemente tocam, como brinquedos e maçanetas. Isto porque quando a pessoa que está infectada pelo VRS toca superfícies e objetos, eles podem deixar os germes neles. Além disso, quando tossem ou espirram, gotas contendo germes podem ir parar nas superfícies desses objetos
Bronquiolite

Bronquiolite é uma infecção infantil em que ocorre o inchaço e acúmulo de muco nos bronquíolos, que são passagens menores de ar presentes nos pulmões. Os sintomas da bronquiolite são similares aos da gripe acompanhados também de uma respiração curta e uma tosse que não passa por alguns dias. É essencial buscar ajuda médica imediatamente caso seu bebê apresente sintomas de bronquiolite. Alguns cuidados simples ajudam a prevenir a bronquiolite, como exposição à fumaça do cigarro e ficar muito tempo em ambientes fechados e com muitas pessoas.

Pneumonia

A pneumonia em bebês e crianças exige atenção especial. Por isso, é preciso saber reconhecer e como agir diante da doença. Infelizmente, os bebês e crianças são mais propensos a ter pneumonia devido ao sistema imunológico imaturo deles e no inverno os riscos aumentam. “A pneumonia ocorre, a cada ano, em 3 a 4% das crianças abaixo de 4 anos e 1 a 2% nas crianças pré-escolares e escolares”, revela a pediatra Tatiana Miranda, coordenadora do Pronto Socorro Infantil do Hospital Leforte.

Crupe

O crupe é uma infecção viral contagiosa dos canais respiratórios superiores que provoca dificuldade em respirar, sobretudo ao inspirar. O crupe pode ser causado por muitos vírus diferentes. No Outono, o vírus parainfluenza é a causa mais provável. Com menor frequência, o crupe pode ser causado pelo vírus do sarampo ou por outros vírus, como o sincicial respiratório ou o da gripe, sobretudo durante o Inverno e a Primavera. O crupe afeta principalmente crianças entre os 6 meses e os 3 anos de idade, embora ocasionalmente afete crianças mais pequenas ou as mais velhas. O crupe provocado pelo vírus da gripe pode ser particularmente grave e ocorre com maior frequência nas crianças entre os 3 e os 7 anos de idade. A doença costuma transmitir-se ao respirar microgotas transportadas pelo ar que contêm o vírus ou então através do contato com objetos infectados.

Sintomas e diagnóstico do crupe

A infecção inflama a membrana que reveste os canais respiratórios, pelo que estes se estreitam e torna-se difícil respirar. A dificuldade ao inspirar, juntamente com a tosse forte e a rouquidão, costuma manifestar-se primeiro à noite. A dificuldade em respirar pode acordar a criança. A respiração é acelerada e profunda e metade das crianças tem febre. O estado da criança pode melhorar pela manhã mas voltar a piorar à noite. A doença normalmente dura entre 3 e 4 dias. O crupe recorrente denomina-se crupe espasmódico. A alergia pode ser uma das causas do crupe espasmódico, mas normalmente começa com uma infecção viral. O médico reconhece o crupe pelos seus sintomas característicos.

Tratamento do crupe

A criança que contrai crupe ligeiro pode ser tratada em casa. É colocada numa posição cômoda, assegurando que ingira muitos líquidos. Também é necessário o descanso porque a fadiga e o choro podem piorar a doença. Os humidificadores de uso doméstico (por exemplo, vaporizadores de frio) podem reduzir a secura dos canais respiratórios superiores e facilitar a respiração. A humidade pode ser rapidamente aumentada deixando aberta a água quente do chuveiro para criar vapor no banho. No caso de dificuldade respiratória aumentar ou se manter, a frequência cardíaca acelerar ou a pele adquirir uma cor azulada ou se desidratar, a criança deve ser hospitalizada.

Já no hospital, pode ser administrado oxigênio. Um médico pode prescrever um esteroide para os casos mais persistentes. Raramente, um caso mais grave pode necessitar de internação hospitalar. Medicamento que dilatam as vias respiratórias também podem ser indicados. Estes medicamentos podem ser utilizados para facilitar a respiração da criança.
Fonte: bebemamae.com
Postar um comentário
 
Copyright © 2011 - 2014 O Controle da Mente - A Ciência em Ação!