Ultimas

Disforia de Gênero - O Corpo Não Reflete Seu Verdadeiro Sexo


As pessoas que têm disforia de gênero sentem fortemente que não são do gênero que fisicamente parecem ser.

Por exemplo, uma pessoa que tem um pênis e todas as outras características físicas de um homem pode sentir que ele é, na verdade, uma mulher. Essa pessoa teria um intenso desejo de ter um corpo feminino para ser aceito por outros como uma mulher. Ou, alguém com as características físicas de uma mulher iria sentir que a sua verdadeira identidade é do sexo masculino.

Sentir que seu corpo não reflete seu verdadeiro sexo pode causar grave angústia, ansiedade e depressão. “Disforia” é um sentimento de insatisfação, ansiedade e inquietação. Com a disforia de gênero, o desconforto com o corpo masculino ou feminino pode ser tão intenso que pode interferir com a maneira de viver no cotidiano, por exemplo, na escola ou no trabalho ou durante atividades sociais.

Disforia de gênero costumava ser chamada de “transtorno de identidade de gênero”. Mas a incompatibilidade entre o corpo e a sensação interna de gênero não é uma doença mental . Em vez disso, o que precisa ser abordado são o estresse, ansiedade e depressão que vem junto.

A condição também tem sido chamado de “transexualismo”. Mas este termo está ultrapassado. Alguns consideram que é ofensivo. Agora “transgênero” é muitas vezes usado para descrever alguém que sente que o seu corpo e sexo não são iguais.

Não conformidade de gênero é um termo mais amplo que pode incluir pessoas com disforia de gênero. Mas também pode descrever as pessoas que sentem que não são nem unicamente homens ou somente mulheres. Informalmente, as pessoas que se identificam com ambos os sexos ou com nenhum gênero poderiam chamar-se “genderqueer.”

Disforia de gênero não é a homossexualidade. O seu sentido interno do seu sexo não é o mesmo que sua orientação sexual .

Sintomas e Diagnóstico

Para ser diagnosticado com disforia de gênero, uma pessoa tem que ter sintomas que duram pelo menos seis meses. Em crianças, estes sintomas podem incluir:
  • Consistentemente dizer que eles são realmente uma menina, apesar de terem as características físicas de um menino ou realmente um menino se eles têm as características físicas de uma menina
  • Fortemente preferir amigos do sexo com o qual se identificam
  • Rejeitar as roupas, brinquedos e jogos típicos para meninos ou meninas
  • Recusar-se a urinar do jeito – em pé ou sentado – que outros meninos ou meninas costumam fazer
  • Dizer que querem se livrar de seus órgãos genitais e ter os órgãos genitais de seu verdadeiro sexo
  • Acreditar que, apesar de terem as características físicas de uma menina eles vão crescer para ser um homem; ou acreditar, se eles têm as características físicas de um menino que ainda serão uma mulher quando crescerem
  • Ter extrema aflição sobre as mudanças corporais que ocorrem durante a puberdade
Em adolescentes e adultos, os sintomas de disforia de gênero podem incluir:
  • Certeza de que o seu verdadeiro sexo não está alinhado com o seu corpo.
  • Desgosto com seus órgãos genitais. Eles podem evitar tomar banho, trocar de roupa, ou ter relações sexuais para evitar ver ou tocar seus genitais.
  • forte desejo de se livrar de seus órgãos genitais e outras características sexuais.
Crianças ou adultos podem se vestir de forma a apresentar-se como o sexo que eles sentem que são.

Disforia de Gênero não diagnosticada ou não tratada

Diagnóstico e tratamento são importantes. Pessoas com disforia de gênero têm maiores taxas de problemas de saúde mental. Algumas estimativas dizem que 71% das pessoas com disforia de gênero vai ter algum outro diagnóstico de saúde mental em sua vida. Isso inclui transtornos de humor , transtornos de ansiedade, esquizofrenia ,depressão , abuso de substâncias , distúrbios alimentares , e tentativas de suicídio.

Tratamento para disforia de gênero

O objetivo não é mudar a forma como a pessoa se sente sobre o seu gênero. Em vez disso, o objetivo é lidar com o sofrimento que pode vir com esses sentimentos.

Falar com um psicólogo ou psiquiatra faz parte de qualquer tratamento para a disforia de gênero. Psicoterapia é uma maneira de resolver os problemas de saúde mental que esta condição pode causar.

Além da psicoterapia, muitas pessoas optam por modificar a sua aparência física, de acordo com a forma como elas se sentem por dentro. Elas podem mudar a forma como se vestem ou querer usar um nome diferente. Elas também podem tomar remédio ou fazer uma cirurgia para mudar sua aparência. Tratamentos possíveis incluem:
  • Bloqueadores de puberdade – Um jovem na puberdade precoce com disforia de gênero pode pedir para tomar hormônios prescritos (testosterona ou estrogênio ) que suprimem as mudanças físicas. Antes de tomar essa decisão, o jovem deve falar com um pediatra e, por vezes, um psiquiatra sobre os prós e contras de tomar esses hormônios, especialmente com pouca idade.
  • Hormônios – adolescentes ou adultos podem tomar a hormônios (estrogênio ou testosterona) para desenvolver traços do sexo com o qual eles se identificam.
  • Cirurgia – Algumas pessoas optam por uma cirurgia completa de reatribuição sexual. Isto costumava ser chamado de uma operação de mudança de sexo. Mas nem todo mundo faz. As pessoas podem optar por ter apenas alguns procedimentos feitos a fim de frazer a sua aparência estar mais em linha com os seus sentimentos.
Após a transição, uma pessoa pode não sentir mais disforia. Mas a pessoa ainda pode precisar de terapia. Amigos, família, colegas de trabalho, potenciais empregadores e grupos religiosos às vezes podem ter dificuldade em entender quando o gênero de alguém parece mudar. Este e outros desafios da transição podem pedir ajuda profissional.
Fonte: psicoativo.com
Postar um comentário
 
Copyright © 2011 - 2014 O Controle da Mente - A Ciência em Ação!