Ultimas

Infertilidade Masculina atinge 10% dos casais brasileiros

Dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) revelam que 10% dos casais brasileiros que desejam engravidar apresentam algum tipo de infertilidade. Durante muito tempo os empecilhos eram todos atribuídos às mulheres e só recentemente passaram a fazer parte do universo masculino. A infertilidade pode estar tanto em um quanto no outro, ou nos dois parceiros.

Estudos mostram que a infertilidade masculina na maioria dos fatores está relacionada à produção ou à disponibilidade de espermatozoides viáveis. Infertilidade masculina não significa a impossibilidade definitiva de ter filhos, depois que surgiram à inseminação artificial e a fertilização in vitro. O diagnóstico benfeito é fundamental para a escolha do método mais indicado para superar essa dificuldade.

Quando o homem recebe a notícia de que está infértil, na maioria das vezes não consegue isolar o fato de algum problema de ereção, entretanto, ele afirma que não há relação entre os dois. Os demais motivos que levam à infertilidade masculina estão as disfunções hormonais, infecções genitais, causas congênitas e fatores como uso de anabolizantes, tabagismo, consumo de maconha, cocaína e exposição à radiação, a temperaturas elevadas e à poluição ambiental. Doenças sexualmente transmissíveis e inflamações nos testículos, também podem ser outras causas.

No primeiro lugar do ranking das causas está a varicocele. Que são varizes que aparecem no cordão espermático e podem atrapalhar a produção de espermatozoides. Essas varizes fazem com que a pressão testicular e intratesticular aumente. Entretanto, 60% dos portadores da doença não apresentam nenhuma alteração da fertilidade. Os outros 40% , em geral, são inférteis.

Diagnóstico da dificuldade em ser pai 

Por meio de tratamentos clínicos, procedimentos cirúrgicos e fertilização assistida, as chances de reverter um caso de infertilidade masculina são muito maiores atualmente.  

Para o diagnóstico o espermograma é um dos exames mais usados pelos médicos. Ele analisa as características do espermatozoide, permitindo verificar o potencial de reprodução do homem e o que pode ser feito para melhorá-lo. O teste avalia desde o aspecto até a quantidade e as condições dos espermatozoides, podendo verificar como está a fertilidade do homem, além de, muitas vezes, apontar outros fatores da saúde reprodutiva masculina, como as condições da próstata ou a presença de infecções ocultas, por exemplo.

Normalmente este teste é realizado quando existe algum problema físico, imunológico ou genético, que possa alterar as condições espermáticas e/ou interferir na fertilidade do homem. Tudo isso é avaliado num exame clínico feito pelo urologista ou especialista em reprodução humana. Por isso, o teste não tem uma periodicidade regular. Ele conta que o espermograma é realizado por meio de coleta de sêmen, após um período de abstinência sexual de três a cinco dias.

O médico lembra que, normalmente, são pedidos dois exames com 15 dias de intervalo entre eles. Se os resultados forem semelhantes em ambos há um diagnóstico. Se houver alguma diferença entre as características do esperma estudado nas duas coletas, o médico pode solicitar uma terceira coleta, para não deixar nenhuma dúvida.

Fertilidade x idade 

Se por um lado o aparelho reprodutivo feminino começa a sofrer alterações a partir dos 35 anos, por outro, a infertilidade masculina tem pouca associação com a evolução da idade. É sabido que a produção de espermatozoides vai diminuindo com o tempo, mas diversos especialistas apontam que até os 70 anos o homem pode ser pai com facilidade, principalmente se sua parceira tiver menos de 35 anos.

A idade do homem interfere pouco em sua capacidade de procriar. O homem mais velho produz mais espermatozoides com alteração genética. Mas o impacto disto é bem menor na prole, comparando com o efeito da idade na fertilidade feminina.
Fonte: vidafertil.com.br
Postar um comentário
 
Copyright © 2011 - 2014 O Controle da Mente - A Ciência em Ação!