Ultimas

medicina

biologia

Acompanhe:

Ovelha Dá à Luz à Animal Com Traços Humanos na África do Sul

Quando animais com má-formação nascem, especialmente em comunidades pequenas, é comum que as pessoas atribuam a existência do bichinho ou a alguma divindade ou a um fator demoníaco.

Os 4 mil moradores de Lady Frere, na África do Sul, estão convencidos de que o animal nascido de uma ovelha e que parece ter feições humanas é, na verdade, o resultado de algum tipo de feitiçaria.

Desde que as fotos do filhote foram divulgadas, especialistas foram até o local para conferir de perto o cordeiro. De acordo com o veterinário Dr. Lubabalo Mrwebi, que foi examinar o animal, ele realmente nasceu com formatos diferentes do comum, mas não tem nada de humano nele.

A causa da má-formação do cordeiro, segundo o especialista, tem a ver com uma infecção que a ovelha teve enquanto estava ainda no estágio inicial da gravidez. Ele ressaltou que, enquanto seres humanos têm 23 pares de cromossomos, ovelhas têm 28, sendo impossível, portanto, que um espermatozoide humano tenha fecundado o óvulo do animal.

Explicações

Para Mrwebi, o filhote nasceu dessa maneira apenas por causa de uma infecção viral, nada mais. Como as ovelhas ficam grávidas durante 5 meses, em média, é bem possível que esse cordeiro tenha sido concebido no início de 2017, que foi um período de muita chuva.

Com a chuva, mosquitos se proliferam no vilarejo e acabam transmitindo vírus que causam doenças nas ovelhas da região. Mrwebi explicou que certamente o vírus entrou na corrente sanguínea da ovelha e chegou até o feto, que teve seu desenvolvimento prejudicado.

O animal, que morreu logo após o parto, ainda será analisado, e os relatórios sobre sua condição serão enviados aos moradores da região, que só vão se sentir em paz quando queimarem os restos do cordeiro. Apesar das explicações, eles ainda acham que estão diante de algum resultado de bruxaria. 
Fontes: dailymail.co.uk / megacurioso.com.br

Proteja Seu Coração Comendo Uma Maçã Por Dia

Ao consumir uma unidade da fruta diariamente, você mantém as artérias livres de danos provocados pelo excesso de LDL, o colesterol ruim.

Apelidada de fruto proibido, ela mostra, em laboratórios mundo afora, que proibido mesmo é deixá-la longe do cardápio. A última prova vem da Universidade de Ohio, nos Estados Unidos, onde se constatou que o consumo de uma unidade diária – sim, apenas uma maçã, nem uma mordida a mais – diminui os níveis de LDL oxidado no sangue. E esse é aquele colesterol ruim pra valer, que todos querem varrer das artérias. “Os compostos fenólicos da fruta parecem eliminar os radicais livres no sangue antes que eles possam chegar ao LDL”, explica Robert DiSilvestro, líder da pesquisa.

“A vantagem da fruta é que, nela, há vários compostos que agem em conjunto, somando ações positivas no organismo”, justifica a nutricionista Pamela Cristiani Dias Pereira, mestranda em ciências da saúde pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC-PR). Uma dessas substâncias parceiras na batalha contra o colesterol é a pectina, uma fibra solúvel encontrada em doses generosas na casca do fruto da macieira. É ali, aliás, que boa parte dos seus antioxidantes fica retida – aproximadamente 50% dos compostos fenólicos. “O resultado desse trabalho deve ser reflexo da sinergia das fibras, como a pectina, com os polifenóis da fruta, os compostos fenólicos”, arrisca a nutricionista Laryssa Maria Mendes de Geus, professora do Centro de Ensino Superior dos Campos Gerais (Cescage), em Ponta Grossa, no interior do Paraná.

Com casca e tudo

Para aproveitar o efeito anticolesterol da maçã, o melhor é consumi-la inteira. Afinal, é na película que reveste a fruta que encontramos a pectina, fibra solúvel que ajuda a reduzir a absorção da substância pelo intestino. “A casca também concentra grande parte dos compostos fenólicos do alimento”, reforça a nutricionista Laryssa Maria Mendes de Geus, professora do Cescage, em Ponta Grossa, no interior do Paraná. Só não se esqueça de higienizá-la bem, para reduzir a quantidade de agrotóxicos.

Coma só uma. Mesmo!
 
Sabe aquela história de que tudo em excesso faz mal? Pois é. Até os compostos fenólicos, grandes trunfos da maçã, viram inimigos quando ingeridos de forma desenfreada. Isso porque, daí, em vez de combaterem os radicais livres, eles passam a ter atividade pró-oxidante. O segredo para não deixar seus poderes se esvaírem é se limitar a uma unidade. Se não resistir, a cota máxima pra valer seriam três.

As variedades mais comuns

As diferenças entre as maçãs mais presentes nas feiras e supermercados do Brasil:

 
Fuji: A polpa é aromática, firme e crocante. Uma leve acidez caracteriza seu sabor, resultado de cruzamentos feitos no Japão.

Verde:É desta cor porque não tem o pigmento antocianina na casca. Apresenta alta acidez e baixo teor de açúcares.

Gala: A polpa é firme e bem docinha. Trata-se do cultivar considerado mais rico em antioxidantes

Argentina: O certo, certo seria chamá-la de red. Sua polpa é mais esbranquiçada. Para alguns, menos atraente para o paladar. Isso porque a maturidade não lhe cai bem: dá a impressão que esfarela na boca.

Veja neste vídeo informativo a importância de comer uma maçã diariamente para proteger seu coração:

Fonte: saude.abril.com.br

Filhos Deficientes - Amor ao Dobro dos Pais

Uma mulher nunca entra em um hospital para dar à luz, emocionalmente preparada, para uma criança deficiente, pois as chances de que ela tenha um bebê saudável, como todos os pais idealizam, são muitas. Independente de qual seja à força de uma pessoa, dificilmente ela se encontra de fato preparada para se defrontar com o desespero real.

“É muito difícil alguém se furtar à dor durante toda a vida, pois assim como yin e yang, a alegria e a dor andam juntas. Na maioria das vezes, a dor que vivemos é temporária, vai tão rápido quanto vem. Nada mais é do que outro evento consciente que se aprende a esperar no processo normal da vida. Como tal, é vivido e depôs esquecido. É possível, porém, que muitas pessoas vivam sem conhecer o verdadeiro desespero, o tipo inevitável que não será esquecido, mas com o qual se deve conviver. Aquele que não se pode modificar. A pessoa terá de mudar seu estilo de vida e seus sentimentos a fim de acomodá-lo, pois ele estará sempre presente, não se pode escapar dele. A deficiência permanente pode provocar esse tipo de desespero”.

O choque inicial a essa percepção e o consequente sentimento de descrença serão determinados, a princípio, dependendo de até que ponto a deficiência é claramente visível ou irremediável. Com certeza ela não está pronta para o conhecimento de que seu filho talvez tenha de viver com uma deficiência por toda a vida, a qual poderá impor limitações permanentes a todas as atividades e que exigirá dela, assim como dos outros membros da família, tempo, energia e dinheiro em proporções extraordinárias.

A criança perfeita que esperavam não veio e, em seu lugar, terão de aceitar algo muito aquém de suas expectativas, pois a tomada de consciência traz consigo urna dor profunda e a decepção para toda a família. Uma deficiência tal como a paralisia cerebral ou a ausência de membros em um recém nascido não passará despercebida, uma constante lembrança da dor daquela família.

Portanto, a priori, é mais difícil de lidar com o aspecto físico e visível do que com a deficiência interna, aparentando uma criança perfeita. Neste ultimo caso, porém o estresse e a ansiedade vêm do fato de que a extensão real do problema não pode ser avaliada e os pais estarão constantemente à mercê de um futuro imprevisível, observando e esperando.

Algumas mães sentem-se pessoalmente responsáveis pela condição em que seu filho vem ao mundo, questionando-se por não terem sido mais cuidadosas durante a gestação. Pensamentos e emoções como esses produzem fortes sentimentos de autorrecriminação e autocensura instalando-se profundos sentimentos de culpa.

Os pais de deficientes demonstram essa recriminação aparentando sentirem vergonha, sentimento esse mais centrado nos outros do que a culpa. Aqui, a preocupação é com as atitudes das outras pessoas:

– “O que os outros vão pensar?”.
– “O que vão dizer?”.

Isso acontece, pois a vergonha atinge o âmago do nosso ser e alcança as camadas mais profundas de nossas emoções. Quando os indivíduos se tornam pais, vêem seus filhos como umas extensão de si mesmos, ou seja, esses pais esperam que seus filhos, de certa forma, se tornem um reflexo do melhor de si próprios e sentem-se envergonhados quando isso não acontece. Quando qualquer esperança com relação à isso lhes é tirada, sentem-se indefesos, desesperados e envergonhados.

O medo é outra emoção comum aos pais de deficientes, pois temos um medo natural daquilo que não compreendemos. Em histórias em quadrinhos, o medo é representado como grupo de nuvens negras pairando ameaçadoras sobre determinado indivíduo. “Parecia que eu estava sempre sendo perseguida por negras nuvens de medo, que constantemente impediam qualquer percepção clara. Essas nuvens impenetráveis tornavam a tomada de decisões quase impossível para mim no inicio. Eu simplesmente não podia ver através delas". Acompanhando o medo vem a incerteza — em relação à criança, à deficiência e ao seu prognóstico, à eficiência do médico, reações das pessoas a nós e à criança. Incerteza em relação ao novo papel e capacidade, ao nosso futuro e ao da criança.

Não é raro, portanto, que após o nascimento da criança, um dos pais siga um período de profunda depressão. É um momento em que não se deseja pensar, planejar, sentir ou fazer qualquer outra coisa, se tornando um modo de fuga, caracterizado por apatia e vazio, pois a dor emocional se torna tão aguda e penetrante que a pessoa resvala para uma espécie de inconsciência lógica.

Portanto, os pais seguem a vida em piloto automático, resultando em lágrimas, aparentemente sem dor e impróprias, fluem de modo espontâneo, para provar que as emoções estão lá e que, em seu tempo próprio, de uma forma ou de outra, irão se manifestar. Em contrapartida, há pais que reagem de forma oposta, aparentando estarem felizes e dispostos a enfrentar o que vier pelos seus filhos, na tentativa de convencer os demais (e a sí mesmos) do quanto são fortes e como estão preparados e que amam o filho, independente de sua incapacidade e que a vida para eles seguirá em frente.

Fonte: Acessibilidade.Net
Esses pais sufocarão a dor e o desespero. Suas lágrimas serão secretas, permitidas apenas nos momentos em que estiverem sozinhos. A dor será intensa, como a de todos os outros, mas eles a manterão sob-controle. “De que adiantariam as lágrimas?”.

Há muitos desses mecanismos contra a dor. Podemos racionalizar e encontrar boas desculpas para nossas ações e reações; podemos projetar os sentimentos, culpando outras pessoas por nosso desespero e infelicidade; podemos procurar bodes expiatórios convenientes aos nossos desajustamentos; podemos culpar o médico, o cônjuge e mesmo a Deus ou a sociedade em geral; podemos sublimar esses sentimentos de medo e inadaptação e supercompensá-los tentando ser o melhor pai ou mãe do mundo. Esses padrões de defesa são formados sob grande tensão. Na maior parte dos casos, representam um quebra-galho, não uma solução permanente. Como tal, servirão a seu propósito, mas a longo prazo, cobrarão seu tributo. O controle das emoções consome muita energia. Não é fácil representar um papel falso. Fingir bem-estar é uma atitude superficial e vazia. Na maioria das vezes, a determinada altura, os pais serão forçados a encarar seus verdadeiros sentimentos em relação a si próprios, à família, ao filho deficiente e à deficiência.

Nem sempre os mecanismos de defesa são nocivos. A maioria de nós faz uso deles, em certo grau, para manter nossa existência diária. Mas é a dependência excessiva a esses sistemas que trará problemas adicionais. Esse processo de encarar sentimentos e, em especial, emoções fortes não é fácil, sob qualquer aspecto. Exigirá força, honestidade, insight, inteligência e sensibilidade. O preço é alto, mas a recompensa é maior ainda.

Deficiências são fatos, são reais. A inabilidade em atender a todas as necessidades que implicarão não é um indício de fraqueza, inadequação, ou ignorância. Em vez disso, trata-se de uma afirmação de que somos seres humanos como todos os outros, imperfeitos, gerando sentimentos nada previsíveis e lógicos, portanto, não é algo simples lidar com eles.

Por essa razão é tão importante e necessário o acompanhamento terapêutico nesses casos. Procurem auxílio e cuidem-se, pois precisamos estar bem para poder e conseguir cuidar do Outro.

Assista a seguir neste vídeo algumas dicas de como conviver com filhos deficientes:

Fonte: mundodapsi.com

9 Coisas Interessantes que Acontecem Com Você Enquanto Dorme

Um dos momentos mais aguardados por muitas pessoas durante o dia é o período da noite. Isso porque, normalmente é a ocasião em que nós temos a possibilidade de dormir, visto por muitos como o período em que finalmente podemos descansar o corpo e repor todas as energias para o dia seguinte.

Mas será que é isso mesmo que acontece? A redação de "O Controle da Mente foi atrás e encontrou 9 coisas fascinantes que acontecem com você enquanto está dormindo, entre elas está a perca de peso, o alongamento do corpo e até mesmo o arquivamento de memórias ao longo prazo. Confira abaixo.

1 – Perder peso

Cerca de 500 gramas de água são perdidas enquanto dormimos. Isso explica o motivo de acordamos durante a noite com sede. Ou seja, além de ser útil para descansar e repor as energias para o outro dia, o sono também ajuda na hora de perder peso. Segundo cientistas, cerca de 0,02 gramas são perdidas por cada respiração.

2 – Sonambulismo

O sonambulismo é um fenômeno que ocorre em algumas pessoas que se levantam, caminham e até mesmo falam enquanto dormem. Estima-se que cerca de 30% da população mundial já passou por isso pelo menos uma vez na vida. Isso porque o sonambulismo é comum, principalmente entre crianças. Geralmente esse fenômeno ocorre durante o período em que o cérebro está ocupado processando as memórias do dia.

3 – Memória de arquivamento

Sabe aquele velho conselho dos pais para a gente dormir depois de estudar? Então, eles estão certo. Isso porque quando estamos dormindo o cérebro fica responsável por reproduzir tudo o que aconteceu durante o dia, catalogar e armazenar no centro da memória de longo prazo.

O órgão também é responsável por excluir as lembranças desnecessárias. Esse processo que nos acontece durante o sono é fundamental para que o ser humano se lembre de tudo o que aconteceu no dia ou de informações importantes.

4 – Alongamento do corpo

Durante o dia cerca de 1 centímetro do nosso corpo diminui após a pressão exercida para baixo sobre a coluna encolher as vértebras. No entanto, ao adormecer, as costas ficam relaxadas e assim o corpo volta a se esticar. Além disso, durante a infância e adolescência o período de sono é o momento que nos permite crescer, pois existe uma pressão que é retirada da coluna e das pernas quando estamos deitados, e nessa fase os hormônios de crescimento são liberados.

5 – Pressão sanguínea

Talvez você já tenha notado seu corpo ficar mais quente quando vai dormir. Isso acontece porque, segundo a ciência, cerca de 30 minutos antes de adormecermos o corpo começa a diminuir a temperatura corporal para reduzir o metabolismo e assim você não ficar com fome e conseguir dormir durante horas. Com isso, a pressão arterial também diminui. No entanto, tudo volta ao normal após o ser humano despertar.

6 – O cérebro consome mais energia

Enquanto dormimos é o período em que o cérebro mais consome energia. Isso porque durante o dia o órgão fica ocupado com tarefas do dia a dia, sendo assim, o período do sono é um dos únicos momentos em que o cérebro tem tempo para organizar as coisas.

7 – Paralisia

Quando você dorme todos os seus músculos são paralisados. Isso porque o  cérebro bloqueia neurotransmissores e receptores nos músculos. Isso explicaria os pesadelos durante a noite em que as pessoas tentam gritar ou correr, mas não conseguem, conhecido como “paralisia do sono”.

8 – Espasmos

Cientistas referem-se a sensação de ter o corpo empurrado para baixo como espasmos. Estima-se que cerca de 70% da população já experimentou esse espanto, que ocorre quando o cérebro simula impressão que está te empurrando. Isso acontece porque os músculos estão se preparando para dormir e, às vezes, o cérebro acha que o corpo está caindo.

9 – Sonhos

Você já parou para pensar o por quê sonha? Não? Então nós vamos explicar. Enquanto dormimos o nosso corpo cai inconsciente, assim o cérebro evoca uma realidade imaginária que existe apenas na nossa imaginação, mas que achamos que de fato é real. Porém, o dilema acontece quando acordamos, pois, normalmente quase tudo desaparece da memória. Cientistas explicam que os sonhos ajudam a fortalecer a memória de longo prazo.

Observe no vídeo abaixo como é o sistema do metabolismo orgânico enquanto dormimos:

Fontes: listverse.com / fatosdesconhecidos.com.br

Mal de Meleda - Doença de Pele Autossômica Recessiva

Mal de Meleda é uma ceratodermia palmoplantar transgressiva rara, com prevalência estimada de 1:100.000 habitantes, descrita em 1826 por Stulli, na Ilha de Meleda. A herança autossômica recessiva foi descrita em 1938 e a alteração gênica no lócus 8qter, documentada em 1998. As principais manifestações clínicas decorrem da alteração da ceratinização palmoplantar.

Há intensa hiperceratose transgressiva com eritema também no dorso das mãos e pés com distribuição em luvas e botas O aconselhamento genético faz-se necessário, sobretudo nos casos de consanguinidade. Nosso objetivo é relatar 2 casos de ocorrência familiar de pais consanguíneos.


Apresenta hiperceratose palmoplantar transgressiva amarelada intensa, hiperceratose palmoplantar amarelo-esbranquiçada transgressiva com maceração e eritema que transcende para o dorso das mãos e dos pés.

Veja o vídeo ilustrativo a seguir com imagens fortes:


Fonte: scielo.br

saúde

curiosidades

psicologia

 
Copyright © 2011 - 2014 O Controle da Mente - A Ciência em Ação!